Sobe para 48 o número de mortos em duplo atentado na Somália

As autoridades da Somália elevaram hoje para 48 o número de mortos num duplo ataque do grupo extremista Al-Shabab na cidade de Beledweyne, no centro do país, depois de um balanço inicial apontar para 28 vítimas mortais.

"Podemos confirmar, por agora, que 48 pessoas foram mortas e 108 ficaram feridas nas duas explosões", disse o governador do estado de Hirshabelle, Ali Gudlawe Hussein, citado pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Na quarta-feira à noite foi noticiado um duplo ataque do grupo jihadista Al-Shabab na cidade de Beledweyne, horas depois de outro ataque ao aeroporto da capital, Mogadíscio, encarada como a cidade mais segura deste país africano situado na conturbada região do Corno de África.

"Pedimos aos cidadãos para serem muito vigilantes, ordenamos a todas as agências de segurança que aumentem a segurança", anunciou Hussein.

O grupo Al-Shabab reivindicou a responsabilidade pelos ataques.

O primeiro ataque ocorreu junto à base militar de Lamagalaay, um local altamente vigiado onde estava a decorrer a votação para a Câmara Baixa do Parlamento da Somália.

No segundo ataque, um carro-bomba explodiu num hotel próximo, onde estavam hospedados políticos locais e autoridades eleitorais.

Entre os mortos está a deputada Amina Mohamed, que estava nesta região num ato campanha eleitoral para manter o seu lugar no Parlamento nas eleições legislativas em curso.

O Presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed Farmaajo, enviou as suas "mais profundas condolências" à família do deputado e "toda a nação somali".

A embaixadora da União Europeia (UE) no país africano, Tiina Intelmann, afirmou hoje na sua conta da rede social Twitter que "a violência não é um caminho a seguir na Somália", condenou "o terrorismo e os homicídios", e enviou "condolências à família da deputada Amina Mohamed".

Um ex-deputado, Ali Abdi Dhuhul, que fazia campanha para as eleições, também foi morto nestes ataques, enquanto o ex-ministro da Educação da Somália, Abdirahman Dahir Osman, ficou ferido.

Estes ataques ocorreram horas depois de um ataque contra o complexo que abriga, entre outros, os escritórios da ONU em Mogadíscio e que causou pelo menos oito mortos e 11 feridos.

Em 15 de março, a Somália falhou um segundo prazo para completar as eleições para a Câmara Baixa, por causa de tensões políticas, rixas entre clãs e alegadas irregularidades.

Em janeiro, o primeiro-ministro somali, Mohamed Hussein Roble, e os presidentes dos cinco estados federais do país concordaram em completar o processo eleitoral até 25 de fevereiro, um compromisso que não cumpriram.

A conclusão das eleições parlamentares é um marco essencial para a realização das eleições presidenciais, que foram adiadas várias vezes desde 2021, apesar de o mandato do Presidente, Mohamed Abdullahi Mohamed Farmaajo, ter expirado nesse ano.

O adiamento sistemático das eleições – que são apoiadas pela comunidade internacional, e contra a vontade do Al-Shabab – é considerado como uma distração para os problemas essenciais do país, como a luta contra o terrorismo.

O grupo que reivindicou o ataque controla as áreas rurais no centro e sul do país e quer estabelecer um Estado islâmico 'wahhabi' (ultraconservador) na Somália.

A Somália tem estado num caos desde a queda do ditador Mohamed Siad Barre, em 1991, que deixou o país sem um governo eficaz e nas mãos de senhores da guerra e milícias islâmicas, como o Al-Shabab.

Fonte: Notícias ao Minuto

comprar biblias

markadapaz